O setor de energia renovável está gerando volumes de dados cada vez maiores.

As turbinas eólicas são equipadas de fábrica com uma ampla gama de sensores, medindo a condição de funcionamento dos componentes e lubrificantes, bem como a resposta dos sistemas e de cada turbina como um todo.

Também está se tornando cada vez mais comum que as empresas de energia usem drones para inspeção de turbinas, além de técnicas para mapear e antecipar as condições de vento em torno de parques eólicos.

Da mesma forma, as empresas de energia estão investindo em novas tecnologias que lhes permitam melhorar a eficiência operacional, na medida em buscam equilibrar a necessidade de integrar fontes de energia renováveis com energia nuclear, carvão e gás, ao mesmo tempo em que gerem mudanças nos cenários reguladores e consumidores.
Embora grande parte dos dados que são coletados sejam de uso local, ou seja, no monitoramento de condições locais de determinada planta permanecendo ali armazenadas, há uma tendência crescente para integrar vários conjuntos de dados de cada área.

Um resultado desse processo é o surgimento de análises preditivas. Usado de forma inteligente, permite modelar a relação causa e efeito com a interação entre fontes de dados muitas vezes díspares, criando a capacidade de responder de forma mais rápida e efetiva às mudanças nas condições do mercado, bem como impulsionar e definir mudanças para o futuro do negócio. Por exemplo, estudos mostraram que o uso de análises preditivas pode melhorar a capacidade de geração de energia de um parque eólico comum em até 10%, melhorando a eficiência e prolongando a vida de cada turbina.

Claramente, reunir, analisar e compreender dados em grande escala está se tornando cada vez mais importante. Muitos argumentariam que este "Big Data" é o futuro não apenas para geradores de energia, mas para a indústria como um todo.

A modelagem “Big Data” (grandes blocos de dados) depende, no entanto, da precisão e confiabilidade dos dispositivos que reúnem informações no ponto de uso: sensores, cabos, conectores e coletores de dados.

Sem esses instrumentos, toda fundação do “Big Data” desmorona.

É por isso que, na EGF Engefaz, investimos pesadamente ao longo de muitos anos no desempenho e integridade de cada produto que ofertamos. Estes são apoiados por uma ampla gama de serviços, contando com engenheiros de vibração mais experientes do mundo. Isso garante que cada instalação produza resultados precisos e consistentes.

Como resultado, nossos produtos fornecem a qualidade dos dados que sustenta monitoramento de condições tradicionais e análises preditivas emergentes, dando aos clientes a confiança para tomar decisões que determinam o futuro de seus negócios.


Quer saber mais sobre como nossas soluções de monitoramento de vibração podem ser aplicados a Indústria Eólica? Entre em contato conosco.